Arquivos da categoria: Artigos

“Excerpts from Jung´s Work Related to Body and Psyche” – compiled by Rosa Farah & Anita J. Ribeiro

Thoughts on the Relationship Body – Psyche

“From what has been said, it should be clear that the psyche consists essentially of images. It is a series of images in the truest sense, not an accidental juxtaposition or sequence, but a structure that is throughout full of meaning and purpose; it is a ‘picturing’ of vital activities. And just as the material of the body that is ready for life has need of the psyche in order to be capable of life, so the psyche presupposes the living body in order that its images may live.” (Jung, C. G. “The Collected Works,” vol. 8, pg. 325)

“…Mind and body are presumably a pair of opposites and, as such the expression of a single entity whose essential nature is not knowable either from its outward, material manifestation or from inner, direct perception. According to an ancient belief, man arose from the coming together of a soul and a body. It would probably be more correct to speak of an unknowable living being, concerning the ultimate nature of which nothing can be said except that it vaguely expresses the quintessence of “life.” This living being appears outwardly as the material body, but inwardly as a series of images of the vital activities taking place within it. They are two sides of the same coin, and we cannot rid ourselves of the doubt that perhaps this whole separation of mind and body may finally prove to be merely a device of reason for the purpose of conscious discrimination – an intellectually necessary separation of one and the same fact into two aspects, to which we then illegitimately attribute an independent existence.” (Jung, C. G. “The Collected Works,” vol. 8, pg. 326)

“The relation between body and mind is a very difficult question. You know that the James-Lange theory says that affect is the result of physiological alteration. The question whether the body or the mind is the predominating factor will always be answered according to the temperamental differences. These who by temperament prefer the theory of the supremacy of the body will say that mental processes are epiphenomenona of physiological chemistry. Those who believe more in the spirit will say the contrary; to them the body is just the appendix of the mind and causation lies with the spirit. It is really a philosophical question, and since I am not a philosopher I cannot claim to make a decision. All we can know empirically is that processes of the body and processes of the mind happen together in some way, which is mysterious to us. It is due to our most lamentable mind that we cannot think of body and mind as one and the same thing; probably they are one thing, but we are unable to think it.” (Jung, C. G., “Analytical Psychology – Its Theory and Practice,” pg. 35)

“…In the same way (Jung was comparing physics and its postulate on the wave character of electrons versus particles), the so-called psychophysical parallelism is an insoluble problem. …Body and a mind are the two aspects of the living being, and that is all we know. Therefore I prefer to say that the two things happen together in a miraculous way, and we had better leave it at that, because we cannot think of them together. For my own use I have coined a term to illustrate this being together; I say there is a peculiar principle of synchronicity2 active in the world so that things happen together somehow and behave as if they were the same, and yet for us they are not. Perhaps we shall some day discover a new kind of mathematical method by which we can prove that it must b like that. But for the time being I am absolutely unable to tell you whether it is the body or the mind that prevails, or whether they just coexist.” 2 (Cf. ” Synchronicity: An Acausal Connecting Principle” (C.W. vol. 8)” (Jung, C. G., “Analytical Psychology – Its Theory and Practice” pg. 36)

Speaking of the physical illnesses as a symbol for psychic processes; different from illness as “caused” by psychic problems:

“He (the case of an American business man) had differentiated one side of his being; the other side remained in an inert physical state. He would have needed this other side in order to “live.” The hypochondriacal “depression” pushed him down into the body he had always overlooked. Had he been able to follow the direction indicated by his depression and hypochondriacal illusion, and make himself conscious of the fantasies, which proceed from such a condition, that would have been the road to salvation. My arguments naturally met with no response, as was to be expected. A case so far advanced can only be cared for until death; it can hardly be cured.” (Jung, C. G., “Collected Works”, Vol. 7, pg. 52)

“Not infrequently the dreams show that there is a remarkable inner symbolical connection between an undoubted physical illness and a definite psychic problem, so that the physical disorder appears as a direct mimetic expression of the psychic situation. I mention this curious fact more for the sake of completeness than to lay any particular stress on this problematic phenomenon. It seems to me, however, that a definite connection does exist between physical and psychic disturbances and that its significance is generally underrated, though on the other hand it is boundlessly exaggerated owing to certain tendencies to regard physical disturbances merely as an expression of psychic disturbances, as is particularly the case with Christian Science. Dreams throw very interesting sidelights on the inter-functioning of body and psyche, which is why I raise this question here.” (Jung, C. G., “General Aspects of Dream Psychology,” pg. 47)

“A wrong functioning of the psyche can do much to injure the body, just as conversely a bodily illness can affect the psyche; for psyche and body are not separate entities but one and the same life. Thus there is seldom a bodily ailment that does not show psychic complications, even if it is not psychically caused.” (Jung, C. G, “The Collected Works,” vol. 7, pg. 115)

“…Whatever has an intense feeling-tone (Jung is referring to the emotional component) is difficult to handle because such contents are somehow associated with physiological reactions, with the processes of the heart, the tonus of the blood vessels, the condition of the intestines, the breathing, and the innervation of the skin. Whenever there is a high tonus it is just as if that particular complex had a body of its own, as if it were localized in my body to a certain extent, and that makes unwieldy, because something that irritates my body cannot be easily pushed away because it has its roots in my body and begins to pull at my nerves. Something that has little tonus and little emotional value can be easily brushed aside because it has no roots.” (Jung, C. G., “Analytical Psychology – Its Theory and Practice,” pg. 79)


Relationship Ego-Body:

Speaking about body and its dynamic relationship to the ego and consciousness:

“The body also forms the basis of what we might call the mental individuality, which is, as it were, an expression of corporeal individuality and can never come into being unless the rights of the body are acknowledged. Conversely, the body cannot thrive unless the mental individuality is accepted. ” (Jung, C. G. “The Collected Works“, vol. 7, pg 296)

“Consciousness is very much the product of perception and orientation in the external world. It is probably localized in the cerebrum, which is of ectodermic origin and was probably a sense organ of the skin at the time of our remote ancestors. The consciousness derived from that localization in the brain therefore probably retains these qualities of sensation and orientation.” (Jung, C. G. “Analytical Psychology – Its Theory and Practice.” New York: Pantheon Books; pg. 8)

“The important fact about consciousness is that nothing can be conscious without an ego to which it refers. If something is not related to the ego then it is not conscious. Therefore you can define consciousness as a relation of psychic facts to the ego. What is that ego? The ego is a complex datum, which is constituted first of all by a general awareness of your body, of your existence, and secondly by your memory data; you have a certain idea of having been, a long series of memories. Those two are main constituents of what we call the ego. ” (Jung, C. G. “Analytical Psychology – Its Theory and Practice“. Pantheon Books, New York; pg. 10)

Speaking about the development of the ego in terms of its roots in the body:

“The ego-complex in a normal person is the highest psychic authority. By this we mean the whole mass of ideas pertaining to the ego, which we think of as being accompanied by the powerful and ever-present feeling-tone of our own body. …The feeling-tone is an affective state accompanied by somatic innervations. The ego is the psychological expression of the firmly associated combination of all body sensations. One’s own personality is therefore the firmest and strongest complex, and (good health permitting) it weathers all psychological storms. It is for this reason that the ideas, which directly concern our own persons, are always the most stable, and to us the most interesting; we could also express this by saying that they possess the strongest attention-tone. (“Attention” in the sense used by Bleuler is an affective state7). 7Bleuler (affektivitat), p. 30: Attention like all our action is always directed by an affect”; or more accurately: Attention is an aspect of affectivity, and does nothing more than what we know affectivity does, i.e., it facilitates certain associations and inhibits others.” (Jung, C. G. “The Collected Works,” vol. 3, pg. 40)

“We have seen that the ego-complex, by reason of its direct connection with bodily sensations, is the most stable and the richest in associations. Awareness of a threatening situation arouses fright. Fright is an affect; hence it is followed by bodily changes, by a complicated harmony of muscular tensions and excitations of the sympathetic nervous system. The perception has thus found the way to somatic innervation and thereby helped the complex associated with it to gain the upper hand. Through the fright, countless body sensations become altered, and in turn alter most of the sensation on which the normal ego is based. … This is due simply to the fact that on the one hand large complexes include numerous somatic innervations, while on the other hand strong affects constellate a great many associations because of their powerful and persistent stimulation of the body. Normally, affects can go on working indefinitely (in the form of stomach and heart troubles, insomnia, tremors, etc.).”(Jung, C. G. “The Collected Works,” vol. 3, pg. 41/42)

Talking about development of ego – consciousness in children, emphasizing the body as the point of “birth of consciousness”:

“Children live in this form (unconscious condition) before they can say “I.” This world of the collective unconscious is so wonderful that children are continually being drawn back into it and can separate themselves from it only with difficulty.” … ” With a sudden shock the child passes from this marvelous world of the collective unconscious into the sthula aspect of life or, expressed in another way, a child goes into svadhisthana (second chackra) as soon as it notices its body, feels uncomfortable, and cries. It becomes conscious of its own life, of its own ego… its own life begins: its consciousness begins to separate itself from the totality of the psyche, and the world of the primordial images, the miraculous world of splendor, lies behind it forever.” (Jung, C. G. “The Psychology of Kundalini Yoga – Notes of The Seminar Given in 1932” pg. 69/70)

*Interesting Reading: In Psychogenesis of Mental Disease, Jung gives an interesting explanation of PTSD mechanisms, which he termed “Chronic Effects of the Complex”, pg. 43.


On Body and Psyche as Pair of Opposites – The Body as Shadow:

Speaking of body as shadow of the ego, shadow as the “rejected” (by the ego-consciousness) aspect of the psyche:

“We do not like to look at the shadow side of ourselves; therefore there are many people in our civilized society who have lost their shadow altogether, they have got rid of it. They are only two-dimensional; they have lost the third dimension, and with it they have usually lost the body. …The body is a most doubtful friend because it produces things we do not like; there are too many things about the body, which cannot be mentioned. The body is very often the personification of this shadow of the ego.” (Jung, C. G., “Analytical Psychology – Its Theory and Practice,” pg 23)

“…Man stands forth as he really is and shows what was hidden under the mask of conventional adaptation: the shadow. This is now raised to consciousness and integrated with the ego, which means a move in the direction of wholeness. Wholeness is not so much perfection as completeness. Assimilation of the shadow gives a man body, so to speak: the animal sphere of instinct, as well as the primitive or archaic psyche, emerge into the zone of consciousness and can no longer be repressed by fictions and illusions. In this way man becomes for himself the difficult problem he really is. He must always remain conscious of the fact that he is such a problem if he wants to develop at all. Repression leads to a one-sided development if not to stagnation, and eventually to neurotic dissociation. Today it is no longer a question of: “How can I get rid of my shadow?” – for we have seen enough of the curse of one-sidedness. Rather we must ask ourselves: “How can man live with his shadow without its precipitating a succession of disasters?” (Jung, C. G., “Collected Works,” vol. 16, pg. 239)

“And indeed it is a frightening thought that man also has a shadow-side to him, consisting not just of little weaknesses and foibles, but of a positively demonic dynamism… A dim premonition tells us that we cannot be whole without this negative side, that we have a body which, like all bodies, casts a shadow, and that if we deny this body we cease to be three -dimensional and become flat and without substance. Yet this body is a beast with a beast’s soul, an organism that gives unquestioning obedience to instinct. To unite oneself with this shadow is to say yes to instinct, to that formidable dynamism lurking in the background. From this the ascetic morality of Christianity whishes to free us, but at the risk of disorganizing man’s animal nature at the deepest level.” (Jung, C. G, “The Collected Works,” vol. 7, pg. 30)

Speaking of the pair of opposites:

“The cross, or whatever other heavy burden the hero carries, is himself, or rather the self, his wholeness, which is both God and animal – not merely the empirical man, but the totality of his being, which is rooted in his animal nature and reaches out beyond the merely human towards the divine. His wholeness implies a tremendous tension of opposites paradoxically at one with themselves, as in the cross, their most perfect symbol.” (Jung, C. G., “The Collected Works,” vol. 5., pg. 303)

“After violent oscillations at the beginning the opposites equalize one another, and gradually a new attitude develops, the final stability of which is the greater in proportion to the magnitude of the initial differences. …. The most intense conflicts, if overcome, leave behind a sense of security and calm which is not easily disturbed, or else a brokenness that can hardly be healed.” (Jung, C. G, “The Collected Works,” vol. 8, pg. 32)


About Self-Regulating System:

Self-regulating System

“I am not altogether pessimistic about neurosis. In many cases we have to say: ‘Thank heaven he could make up his mind to be neurotic’. Neurosis is really an attempt at self-cure, just as any physical disease is partly an attempt at self-cure. We cannot understand a disease as an ens per se any more, as something detached which not so long ago it was believed to be. Modern medicine – internal medicine, for instance – conceives of disease as a system composed of a harmful factor and a healing factor. It is exactly the same with neurosis. It is an attempt of the self-regulating psychic system to restore the balance in no way different from the function of dreams – only rather more forceful and drastic.” (Jung, C. G., “Analytical Psychology – Its Theory and Practice,” pg. 190)

“The dreams are the reaction to our conscious attitude in the same way that the body reacts when we overeat or do not eat enough or when we ill-treat it in some other way. Dreams are the natural reaction of the self-regulating psychic system.” (Jung, C. G., “Analytical Psychology – Its Theory and Practice,” pg. 123)

“The body, its faculties, and its needs furnish of their own nature the rules and limitations that prevent any excess or disproportion. But because of its one-sidedness, which is fostered by conscious and rational intention, a differentiated psychological function always tends to disproportion.”(Jung, C. G., “Collected Works“, Vol. 7, pg. 296)

“Since the psyche is a self-regulating system, just as the body is, the regulating counteraction will always develop in the unconscious. …Its regulating influence, however, is eliminated by critical attention and the directed will, because the counteraction as such seems incompatible with the conscious direction. To this extent the psyche of civilized man is no longer a self-regulating system but could rather be compared to a machine whose speed-regulation is so insensitive that it can continue to function to the point of self-injury, while on the other hand it is subject to the arbitrary manipulations of a one-sided will.” (Jung, C. G. “The Collected Works,” vol. 8, pg. 344)


On Body and Consciousness:

“Now, this third center, the center of emotions, is localized in the plexus solaris, or the center of the abdomen. I have told you that my first discovery about the Kundalini yoga was that these chackras really are concerned with what are called psychical localizations. This center then would be the first psychical localization that is within our conscious psychical experience. I must refer again to the story of my friend, the Pueblo chief, who thought that all Americans were crazy because they were convinced that they thought in the head. He said: “But we think in the heart.” That is anahata (heart center or chackra).

Then there are primitive tribes who have their psychical localization in the abdomen. And that is true of us as well; there is a certain category of psychical events that take place in the stomach.” And if one is very angry one says, “Something weighs on my stomach.” And if one is very angry, one gets jaundice; if one is afraid, one has diarrhea; or if in a particularly obstinate mood, one is constipated. You see, that shows what psychical localization means… Thinking in the abdomen means that there was once a time when consciousness was so dim that people noticed only the things that disturbed their intestinal functions, and everything else simply passed by the board; it did not exist because it had no effect upon them.” (Jung, C. G. “The Psychology of Kundalini Yoga – Notes of The Seminar Given in 1932” pg 43)

“When we have disagreeable thoughts or feelings, our stomachs get upset. We still get jaundice (related to liver) when we repress a violent anger, and every case of hysteria has trouble in the digestive organs, because originally the most profound and important thoughts were down there. So those are three localizations of consciousness that are still to be traced historically, as it were.” (Jung, C. G. “The Psychology of Kundalini Yoga – Notes of The Seminar Given in 1932” pg 107)

“…For instance we say, “You know in the head, but you don’t know it in the heart.” There is an extraordinary distance from the head to the heart, a distance of ten, twenty, thirty years, or a whole lifetime. For you can know something in the head for forty years and it may never have touched the heart. But only when you have realized it in the heart you begin to take notice of it. (Jung, C. G. “The Psychology of Kundalini Yoga – Notes of The Seminar Given in 1932” pg 35)

“The gods have become diseases; Zeus no longer rules Olympus but rather the solar plexus and produces curious specimens for the doctor’s consulting room.”(Jung, C. G. “The Collected Works,” vol. 13, # 54)

“The divine thing in us functions as neuroses of the stomach, or of the colon, or bladder – simply disturbances of the underworld. Our gods have gone to sleep, and they stir only in the bowels of the earth. For our idea of God is abstract and remote. One hardly dares to speak of it. It has become taboo, or it is such a worn-out coin that one can hardly exchange it.” (Jung, C. G. “The Psychology of Kundalini Yoga – Notes of The Seminar Given in 1932” pg 30)

“Faísca da luz que desce” – Silvia Mourão

 


Rósea dourada fulgurante

Trespassa

Camada após camada

Até se tornar carne

Carne se fez

Oculta-se

Gesta

Prenúncios

Seres sensíveis sentem

Desde o princípio

Já uma plena

Presença

Sem forma ainda

Aguardando

O ego e seu propósito

Sua mais excelsa razão possível

De existir mesmo

Pode vir agora à tona

Encontrar a forma que case com a inspiração

Encontrar a carne que dê corpo à luz

Carne justa macia generosa

Capaz de dar à luz

Então é o ato da arte

Pelo canal humano

Divindade

Mistério

A interface mágica

Coligando o que há de mais

Radicalmente humano: o sacrifício

Ao que há de mais

Radicalmente divino: o gozo

Arte

Parto

De homens e mulheres igualmente

A humanidade e além

“Calatonia” – Maria Raymunda Ribeiro

Tocar os dedos dos pés,

Um a um, fazendo polaridade

Com os seus dedos das mãos.

Cada um tem sua função.

Eles juntos compõem uma orquestra.

Terá a sua nota, tendo a sua repercussão.

Os órgãos internos vão se rearranjar.

Os líquidos do seu corpo vão distribuir-se

Harmoniosamente!

Como deveriam sempre viver.

Na sola dos pés,

Dois toques apenas precisos.

Abrangendo o dorso,

Abrangendo o corpo todo.

Pegando o ponto Central,

O cóccix e a coluna.

No calcanhar!

Que sensação boa de ser carregado.

Conduzido num colo; do outro.

Aconchego gostoso, com afeto.

Para finalmente espalhar

Todos os estímulos juntos,

Para o seu corpo todo

Até o “cocoruto”da cabeça,

Chacra coronário,

Pode chegar!

Volta ininterruptamente,

Por fios invisíveis, dispersos no seu corpo.

Há correspondência correta, necessária

Para o seu “bem estar”!

Calatonia é

“Distribuição”

“Relaxação”

“Alimentação”

“Deixar ir”

“Abrir uma porta”

“Desatar as amarras de um odre”

“Perdoar os Pais”e muito mais…

– Estar no mundo com seu Ser

Inteiro – Individual – Único.

Nem que seja só por alguns minutos!

– Amplia seu mundo interno e

Abre a recepção do simbolismo das representações corporais.

Podemos, além dos pés,

Imprimi-la com toques nos dedos das mãos

Ou mesmo na cabeça.

É só você escolher.

Paciente!

Calatonia – do verbo KHALAÓ – Grego

“Integração Fisio-Psíquica e a Dança-Laban” – Cilô Lacava


O corpo e sua Arte do Movimento constituem o mais precioso instrumento para explorarmos nossa capacidade criativa e nos conscientizarmo das características de nosso processo pessoal de criação.

Utilizamos os estudos de Rudolf Von Laban para estudo e análise do movimento, a OBSERVAÇÃO ATENTA, e a busca de uma disciplina pessoal significativa, no grupo.

Consideramos intencionalmente, todas as possibilidades dos TOQUES SUTIS, no trabalho da dança e todas as variações das Qualidades/Esforços de movimento.

Dançamos nossa Dança Pessoal através da Arte da Improvisação de Movimentos. Uma dança da liberdade consciente e da alegria, para o dançarino e observador atentos.

Celebramos a possibilidade de nos reunirmos em grupo para a criação artística.

Dançamos, por vezes, a Dança que nos Dança e assim “dançando Tocamos a Alma do mundo”. (Eugênia)

“A Calatonia e o arquétipo da Madona Negra” – Lucy Penna

 

Lucy Penna 
Núcleo Junguiano do Cerrado 
nucleojunguianodocerrado@gmail.com 
Tel 62 – 2374 2979 
Apresentado  no Encontro de Cinesiologia – 2009)

ABSTRACT
O arquétipo da Madona Negra permanece vivo e atuante no terceiro milênio. Seu significado  é forte em inúmeras manifestações famosas: Pele, Czestochowa, Einsiedeln, Guadalupe, Monteserrat, Maria Madalena e Aparecida, exemplos da força desse arquétipo na transição do processo de individuação coletivo. Este ensaio contribui para vincular os conteúdos constelados pela Madona Negra de Aparecida  e o método calatônico de Pethö Sandor .  Proponho que a peculiar interação entre o corpo físico e o corpo sutil que caracteriza a Calatonia faz parte da manifestação do arquétipo da Madona Negra de Aparecida.

 

Palavras-Chave
MADONA NEGRA – SELF CULTURAL – MITOS BRASILEIROS – NOSSA SENHORA APARECIDA – CALATONIA – TOQUES SUTIS.

O arquétipo da Madona Negra continua instigando a nossa compreensão pela complexidade do seu conteúdo e pela continuidade de suas manifestações desde o mundo antigo.  Pele do Havai é uma das manifestações mais populares deste arquétipo que vence os milênios, derrota a cultura racionalista americana e permanece uma expressão viva da Madona Negra. No contexto cristão atual temos a polonesa  Nossa Senhora de Czestochowa, a espanhola Virgem de Montserrat, a Virgem Negra de Einsiedeln, Suiça, a mexicana Nossa Senhora de Guadalupe. Sara, a protetora dos ciganos e Maria Madalena, erguem-se como frutos de um sincretismo onde os mistérios do ocultismo se misturam com a fé cristã, no sul da França. O Brasil é pródigo de imagens da Madona Negra: Nossa Senhora da Conceição Aparecida e Nossa Senhora de Nazaré, e também Yemanjá e Oxum são as representantes mais populares do arquétipo.
As Madonas Negras constelam a consciência da interconexão com todos os seres humanos e não humanos. Inspiram o sentimento de pertencer ao todo universal que libera a compaixão para com o mundo. Elas unem o corpo e a mente,  comunicam o humano e o divino, apaziguam o conflito entre matéria e espírito. É um traço forte neste arquétipo  em seu aspecto positivo tornar a profissão espiritualizada, a vida social um ato de fé, a cidadania uma atitude ética normal. Percebo uma relação intrínseca da Calatonia com o arquétipo da madona Negra na maneira como o corpo dança com a mente e o espírito se amiga com a matéria.
A Calatonia torna palpável o humano e o divino no corpo. Ela toca o sensível e o sensual, libera a sensibilidade e abre o imaginário. Os toques calatônicos são uma manifestação de superação dos opostos terapeuta – paciente. Durante o processo dos toques ambos estão se deslocando nos espaços internos, onde as vozes dos diferentes níveis de consciência  antes banidas, esquecidas ou reprimidas, podem ser ouvidas. E atendidas.

Abrir para o Sagrado Feminino

Uma moça casada de 33 anos, psicóloga, sonhou que recebia a notícia da morte de sua mãe. O tema da doença ou perda da mãe se repete desde alguns meses, abordando o eixo simbólico do Sagrado feminino sob vários ângulos. Já elaboramos o seu medo de perder a mãe e também a necessidade de diferenciar-se do modelo feminino materno e familiar. Na última sessão, fizemos toques na cabeça e no rosto. Ela entrou em profundo estado de introspecção. Então, pedi que  voltasse ao sonho e materializasse a causa da morte de sua mãe. “Descuido com ela mesma”, respondeu. Minha paciente é uma pessoa inteligente, que lê, faz cursos, trabalha como psicóloga e, aparentemente, cuida bem de si mesma. Qual o aspecto que está descuidado? Temos duas possíveis interpretações: ela ainda não quis ter filhos, embora seja casada há sete anos. E tem sido displicente com sua vida espiritual. Esses dois conteúdos estão interligados, pois ela comanda as escolhas pela razão que lhe diz “ainda não chegou a hora de se mãe”. Para ser mãe ela precisa aproximar-se do marido, criar um lar, pois ainda mora com os seus pais, e aceitar a tarefa da maternidade. Completando agora 38 anos, ela tem de ampliar a visão do seu poder feminino. A força do arquétipo é o germe de uma doação viva, sensível, amorosa que se tornaria a base de uma atitude espiritualizada diante dos processos naturais da vida feminina. Mas será que é o seu caminho? A Calatonia está abrindo sua visão para um corpo sagrado, ao mesmo tempo em que esclarece seu caminho de mulher. Durante os poucos minutos da Calatonia ela consegue ir além do confronto entre o medo de ser ela mesma plenamente e o medo de sair da proteção da mãe ( dos pais). Aos poucos esses instantes de luz interior poderão ir espalhando mais auto-confiança.
Pelo fato de tocarmos nos pacientes, nós induzimos uma aproximação entre o físico e o espiritual mais tangível do que em outros métodos. Terapeuta e  paciente sentem a intensidade e a leveza da presença única do ser integral. A Calatonia permite a proximidade que está ausente na psicanálise e irrompe no proibido pelas normas técnicas ainda vigentes. Nosso trabalho inaugura uma aproximação de corpos carentes  da água da vida. A Calatonia promove uma freqüência vibratória onde as consciências navegam na direção do Self. Cria um campo mórfico onde a telepatia é possível. Esse é o nível de atuação do arquétipo da Madona Negra em todas as épocas.

 Fragmentos integrados do meu ser

No mito egípcio, Isis usou rezas e poções mágicas para restaurar o corpo despedaçado de seu marido, Osíris. Copulou com Osíris ressuscitado e gerou Hórus, o Sol Novo e Jovem. Símbolo da renovação cultural do Egito, Hórus reinou para iluminar e ensinar, até mesmo sua velha mãe, e até hoje ainda pode significar a luz da consciência superior. Talvez a mais antiga manifestação reconhecida da Madona Negra, os mistérios de Ísis e Osíris foram cultuados por cerca de 5 mil anos. Trazido do Egito para o continente europeu, seu culto perdurou sob formas veladas. A Catedral de Notre Dame, no centro de Paris, ergue-se hoje sobre um antiqüíssimo templo de Ísis. Com a mudança das crenças religiosas oficiais, Isis transformou-se em Santa Genoveva, a padroeira de Paris, a Cidade-Luz.
Quem somos nós, se não pajés e pajéias a juntar os fragmentos das pessoas (e os nossos) com os toques suaves aprendidos de Sandor? Nosso objetivo é restaurar o ser integral. Queremos a ressurreição gloriosa, com alegria de viver e mesa farta para todos. Chega de crucifixos pendentes sobre a cama do casal. Regendo sobre o corpo e sobre a espiritualidade, a Madona Negra estimula a viver a sexualidade com alma, criando e recriando laços de amor. As conexões criadas pelos toques calatônicos  juntam os fragmentos disparatados, feios e custosos…mas totalmente nossos.
Os toques da calatonia ensinam a ser com os outros. Crianças  aprendem a trocar carinhos, como os colegas tão bem ensinam e divulgam há anos. As escolas começam programas que são verdadeiros laboratórios de toques para a juventude. Pacientes internados recebem o carinho dos toques calatônicos em abrigos e hospitais. Pesquisas, trabalhos de campo e teses argumentam sobre o efeito desses contatos tão simples, profundos e instigantes.  Cada segmento da sociedade que está sendo tocado reverbera o gesto humanizador da calatonia, irradiando o com-tato adiante com muitos outros.
Sandor iniciou uma revolução pacífica na sociedade brasileira.  A sua presença e seu modo de agir levam a crer que o arquétipo da Madona Negra o inspirou e o protegeu a vida toda. Visto de outro modo, diria que ele foi atraído pela força da Madona Negra neste território. Aqui Yemanjá, uma deusa de um rio africano, transformou-se em senhora dos mares, cultuada de norte a sul. Tornou-se uma orixá, incorporada à Nossa Senhora da Conceição, que é da concepção, portanto da fertilidade e do amor. Unindo o sagrado e o profano, as tradições indígenas também somam imagens míticas do Sagrado  Feminino que unificam o material e o espiritual. Lembremos que Sandor expandiu, divulgou e propôs seu método aqui. Para uma personalidade sensível como ele, o campo mórfico deste território seria, certamente, uma fonte de inspiradacriatividade.

 Aparecida e a Calatonia

A proposta renovadora que a Calatonia traz aos relacionamentos integra-se  aos símbolos constelados em  Nossa Senhora Aparecida, o sinal mais importante da presença do arquétipo Madona Negra na psique coletiva brasileira.  Aparecida veio  decapitada e suja das águas do rio Paraíba. Quando rezar para uma santa escurinha era crime sujeito à pena de morte, ela emergiu quase preta. Uma santa feita possivelmente por um frade, com as cores de Maria, levando o símbolo das deusas pagãs da fertilidade na lua crescente sob os pés. Jogada ou perdida no rio Paraíba, transformou-se.  Sofreu uma verdadeira alquimia nas águas lodosas do rio, perdeu as cores convencionais, emergiu como  Madona Negra trazendo abundância de peixes para saciar o corpo e o espírito das gentes. 
Aparecida é cor de canela como nosso povo. Ela expressa  a deliciosa e confusa  combinação do DNA neste chão. Aparecida também revela a profunda dualidade do nosso povo. Cabeça separada do corpo, razão se opondo ao sentimento, confusas realidades que estão na raiz da identidade nacional. Enquanto o prazer colore a sensualidade na cama e na mesa, a preguiça corrói o caráter. As questões públicas se pautam pela pragmática econômica excessiva que não chega a ser implementada. O governo é a cabeça, enquanto o povo é o corpo  da nação. Tem-se a impressão de que não é possível elevar o patamar de prosperidade para todos enquanto governo e povo  estiverem tão separados. Aparecida mostra os conflitos da alma que se forja há cinco séculos neste território. Por isto, ela  não pertence a um grupo, a uma classe social, nem a uma igreja. Aparecida é do Brasil. Tanto quanto a Calatonia é um produto brasileiro, gestado no trato com as gentes que moram aqui,  incubado no atendimento às pessoas daqui. A Calatonia é a cara da gente brasileira.
Quebrada, depois atacada e quase destruída, a imagem de Aparecida percorreu muitas etapas no caminho da integração cabeça/corpo.  Quem primeiro juntou sua cabeça e corpo foi a cabocla Silvana, mãe de João Alves que a recolheu em sua rede de pesca em 1717. O maior ataque à integridade física da imagem a destruiu em 165 pedaços, em 1978. As mãos hábeis de Maria Helena Chartuni a agiram para recompor o corpo destruído, e a presença espiritual da Madona expandiu-se ainda mais. Sempre as mãos, sempre as mulheres. Dois aspectos da saga alquímica desta Madona Negra que a ligam ao toque calatônico com as mãos. Realmente os toques calatônicos devem ser realizados sempre com amorosidade e inclusividade, que são qualidades do Princípio Feminino, e estão presentes nos homens evoluídos e nas mulheres cuidadosas.
O que nos leva àquela paciente, que finalmente percebeu o quanto estava descuidada consigo mesma.  A cabeça separada do seu corpo, da  vida instintiva pulsando dentro dela pedindo para ser mulher inteira.  Os significados que atribuímos aos contrários “cabeça – e – corpo” podem ser diferentes, mas olhar para eles e encontrar o caminho de conciliação é uma necessidade universal. Aparecida está ai mesmo, para lembrar-nos da urgência deste esforço. Ressuscitada,  inteira, ela se transformou em  símbolo do Self Cultural nacional. Sandor  captou esse Self, trabalhou com ele e por ele.
Sandor viveu e se transformou neste país, uniu seus fragmentos. Aqui ele percorreu sua individuação com serena presença, diante de nós.  Ao perceber as nossas necessidades, deixou uma maneira simples e intensa de atuar para  construir um caráter íntegro nas pessoas. A carência da verdadeira integridade grita nos olhares das crianças de rua, espanta nos atingidos pelas balas perdidas, mata de fome nos banidos da sorte. 
Uma relação mais sadia consigo mesmo, cuidando de si e dos outros, sem alarme, nem alardeando promessas vãs: esta é a herança de Sandor. Ela combina com os símbolos que vejo em Aparecida, a nossa Madona Negra da abundância. Abundância de amor, inclusão e perdão, por artes e sabedorias da Senhora Dona da Paixão. Aquela que dá o vinho e o pão, a cama e a mesa… no canto de Milton Nascimento. (*)

———-
(*) Louva-a-Deus – Canção de Milton Nascimento e Fernando Brant. Nascimento/Três Pontas/EMI Publishing Brazil ASCAP/UBC – 67059244

“O método calatônico em psicoterapia ” – Lucy Coelho Penna

 

Apresentado no Simpósio “Relaxamento: sua importância no contexto psicoterápico”, 36ª Reunião Anual da SBPC, São Paulo, 4-11 de julho de 1984. Publicado na Revista Ciência e Cultura (SBPC), 1984.

ABSTRACT. The Calatonia method in psychotherapy. Calatonia is a method of relaxation proposed by Sandor that makes use of soft touches applied upon the patient’s skin, in association with psychotherapy. The three Calatonia techniques are briefly described and commented emphasizing its relations with the analytical process, the psychophysiological reorganizations and the posture alterations. The Calatonia induced responses are partially due to the kinesiological factors mobilized by the soft touches as thou to the sensations, affects, images and ideas arisen by tactile stimulation. In any of these categories, the patient’s reactions to the method cannot be viewed only as psychophysiological reconditionning but foremost as an holistic existencial reavaluations.

RESUMO. A calatonia é um método de relaxação proposto por Sándor o qual utiliza toques suaves sobre o corpo do paciente, em associação com a psicologia profunda. As três técnicas componentes do método são brevemente descritas neste trabalho, e comentadas focalizando-se a sua relação com a psicoterapia, com as reorganizações psicofisiológicas e com as mudanças posturais. Partes das respostas que são induzidas pelo método calatônico parecem ser devidas ao papel dos fatores cinesiológicos que os toques suaves mobilizam, assim como às sensações, afetos, imagens e idéias que o estímulo tátil pode despertar. Em qualquer destas categorias, as respostas do paciente ao método não devem ser vistas somente como recondicionamentos psicofisiológicos, mas, e sobretudo, como recolocações existenciais amplas e profundas.

HISTÓRICO

A calatonia é um método de relaxação proposto por Sándor (7, 8), composto de três técnicas para serem utilizadas em associação com a psicologia profunda. Sándor partiu das observações realizadas em hospitais da Cruz Vermelha, antes e durante a II Grande Guerra, para elaborar o seu método, cujo desenvolvimento posterior teve a influência das suas experiências clínicas no Brasil.

A técnica básica desse método, conhecida também como calatonia, foi apresentada pela primeira vez em público por ocasião do evento que a Sociedade de Psicologia de São Paulo promoveu em 1969.

Naquela ocasião, Sándor apresentou, pela primeira vez, a técnica básica, embora ela já estivesse em uso por diversos profissionais, em São Paulo. Assim , na mesma oportunidade, Mauro (3) e De Santis (1) apresentaram as suas experiências clínicas com o uso desta técnica em psicoterapia de adultos. Mais recentemente, esta última autora também mostrou o emprego da calatonia em psicoterapia infantil (2). Na mesma linha de consideração, Penna (5) apresentou o caso de uma menina de cinco anos, cuja excessiva tensão oral a tinha levado a grave síndrome da articulação temporomandibular, recuperando-se através da calatonia integrada à psicoterapia de linha jungueana. Mais recentemente, a mesma autora propôs alguns princípios para a avaliação do contexto teórico da calatonia, em sua modalidade básica (5).

Embora as observações já publicadas representem apenas uma parcela muito pequena das experiências clínicas feitas pelos profissionais que empregam o método calatônico, atualmente há outros relatos feitos oralmente, em várias ocasiões. Durante os últimos anos o método tem sido divulgado através de cursos de especialização 1 e de grupos de estudos, realizados por Sándor ou por seus colaboradores, tanto na universidade, quanto em clínicas particulares.

OBJETIVO DO MÉTODO

Em um plano mais abrangente, esse método visa uma reavaliação existencial ampla e foi planejado para alcançá-la em integração com a psicologia profunda. Visto de modo operacional o método objetiva a regulação do tono psicomotor e procura o recondicionamento psicofisiológico do paciente, através de estímulos táteis suaves, aplicados em pontos determinados do corpo.

Os seus efeitos são observados no planejamento da postura, que é conseqüência da regulação do tono das musculaturas esquelética e visceral; assim como na soltura dos movimentos e na expansão da sensibilidade proprioceptiva. Com um melhor conhecimento do próprio corpo, o sujeito então pode reavaliar as suas expressões corporais e elaborar a linguagem dos próprios sintomas, quando os possui. Segundo Sándor (8), os conteúdos inconscientes que estão associados às desorganizações psicofisiológicas aparecem na forma de imagens, idéias, lembranças e sonhos, refletindo o momento em que vive a pessoa. Sempre que surgem, essas produções das camadas mais profundas da personalidade são acolhidas e trabalhadas no processo terapêutico, sem que se procure dirigi-Ias e nem também forçá-las em esquemas interpretativos, mas dando-lhes a dimensão profunda adequada.

Assim, a calatonia possibilita a ampliação do mundo interno e abre a recepção do simbolismo das representações corporais. As funções intelectiva e ideatória são, por este meio, também mobilizadas, do que resulta um amplo processo transformador, o qual é diretamente manifestado na melhor qualidade dos relacionamentos interpessoais.

O método é constituído, atualmente, por três técnicas. A primeira, que foi originalmente apresentada como “calatonia” e duas outras, que devem ser consideradas como desdobramentos da técnica básica: Descompressão Fracionada e Toques de Reajustamento nos Pontos de Apoio. As três técnicas possuem em comum o modo suave como empregam a estimulação tátil, além do princípio geral de utilização em um contexto psicoterapêutico. Entretanto, dentro de certos critérios éticos, a técnica básica tem sido empregada também na prática médica; em fonoaudiologia e fisioterapia, assim como em reabilitação e em terapia ocupacional (relatos pessoais). Além disso, estão sendo presentemente desenvolvidas várias experiências com essa técnica em centros comunitários (penitenciárias, creches, escolas e hospitais), cujos relatos (pessoais) indicam resultados bastante promissores.

1. Inicialmente na Universidade Católica e, depois, no Instituto Sedes, em São Paulo.

A TÉCNICA BÁSICA

A aplicação do método calatônico em sua modalidade básica (calatonia) consiste na realização de uma seqüência de nove toques suaves e monótonos, os quais são aplicados sobre a pele, nas extremidades do corpo. Pode-se escolher entre a área dos pés e calcanhares e a área das mãos e pulsos, segundo critérios terapêuticos. Preferencialmente, realizamos a calatonia sobre as extremidades distais, de acordo com as normas descritas por Sándor (7, 8).

Para a aplicação, o paciente deita-se em decúbito dorsal, com os braços bem soltos ao longo do corpo. Sugere-se que feche os olhos, podendo abri-los, se quiser; o terapeuta solicita que aceite as mudanças que poderão acontecer em seu estado geral, sem procurar interferir, além de que é muito importante que não pense em relaxar-se, apenas “deixe acontecer”. O terapeuta senta-se, então, aos pés da cama e, muito suavemente, toca os pés do paciente, mas sem massagear, nem movimentar ou pressionar, limitando-se ao contato sutil. A área de contato situa-se nas falanges distais, mais precisamente na base da unha, colocando-se o polegar no lado posterior, à altura da polpa do dedo. Cada contato é feito simultaneamente nos dois pés, de maneira tranqüila e uniforme, por aproximadamente três minutos. Para voltar do estado de relaxação, pedimos que a pessoa movimente os dedos, balance levemente a cabeça, abra os olhos e pisque, respire fundo e espreguice, antes de erguer-se.

A aplicação da calatonia em sua modalidade principal, nos pés, promove determinados efeitos que vêm sendo estudados clinicamente, mostrando que sua peculiaridade reside no alcance da estimulação tátil realizada nos pés, dentro da relação terapêutica. Esta condição enfatiza as qualidades empáticas do contato suave na pele, além dos aspectos simbólicos dos pés na imagem do corpo. Consideramos que os pés, estando na parte mais inferior do corpo humano, podem ser, analogicamente, depositários dos conteúdos básicos da personalidade, juntamente com as pernas e a pélvis.

Por outro lado, os pés têm sido tratados como símbolo da alma humana (5) e local de projeção dos conteúdos infantis (9). Tais simbolismos são amplamente difundidos e vê-se que os conteúdos projetados na extremidade inferior do corpo também estão presentes nos mitos do Saci Pererê, Curupira e Mapinguaris que, no folclore brasileiro, são entidades protetoras dos recursos naturais (6). Por outro lado, o espaço recebe conotações simbólicas decorrentes da analogia que estabelecemos entre as partes do corpo e o meio circundante. Estes elementos de natureza psíquica estão na origem dos processos perceptivos e da relação que o ser humano constitui com as principais dimensões espaciais; fato já aproveitado em diversos testes, como o Desenho da Figura Humana, o Teste da Árvore e o Rorschach. Os pés ligam o ser humano com o chão, com a terra que não somente o sustenta, mas também o atrai para baixo.

Naturalmente, cabe ao terapeuta assinalar o alcance individual ou coletivo dos conteúdos originários da estimulação calatônica dos pés ou das mãos. De qualquer modo que o faça, porém, a sua interpretação constitui um momento privilegiado dentro da sessão. Nem sempre é oportuno interpretar-se as imagens obtidas durante a relaxação, havendo casos em que a sua simples verbalização, pelo paciente, já constitui uma elaboração suficiente e também uma grande vitória sobre a resistência.

A DESCOMPRESSÃO FRACIONADA

A Descompressão Fracionada, tanto quanto o Toque de Reajustamento nos Pontos de Apoio, foi planejada para ser utilizada em seqüência à técnica básica. O seu objetivo é também desmobilizar os núcleos de tensão corporais e estimular a auto-regulação em níveis psicofisiológicos, promovendo, concomitantemente, a manifestação dos conteúdos afetivos e ideativos subjacentes. Enquanto a técnica básica estimula o sujeito a partir das suas extremidades durante quase meia hora, nesta modalidade a estimulação pode ser feita em, praticamente, todos os pontos do corpo, tendo uma duração mais curta em cada área.

O terapeuta exerce certa pressão com as palmas das mãos ou ponta dos dedos sobre os pontos escolhidos no corpo da pessoa, e vai modulando esse contato durante nove ciclos respiratórios do sujeito. Assim, a pressão é de modo que a pessoa perceba claramente o contato durante três expirações. Na quarta, inicia-se a descompressão, fracionando-a durante mais três ciclos respiratórios completos. Finalmente, ainda sem afastar as mãos completamente, o terapeuta permanece outros três ciclos em contato apenas suavemente perceptível.

Para realizar cada momento de descompressão, observa-se cuidadosamente como o paciente respira, para modulá-la quando a pessoa estiver soltando o ar. O terapeuta precisa estar ainda bastante consciente do seu próprio estado, relaxando os próprios níveis de tensão, especialmente nos braços e nas mãos.

As repercussões da Descompressão Fracionada são comumente de descontração nas regiões tocadas, com certa generalização para as áreas circunvizinhas, acompanhadas da sensação de calor. Freqüentemente, as recordações dos contatos anteriores nas mesmas áreas e o desejo de preenchimento daquelas experiências incompletas ou frustrantes, aparecem. Estas condições são, às vezes, espontaneamente projetadas sobre a figura do terapeuta, de modo que a pessoa cria determinadas expectativas, normalmente desfeitas com o decorrer do tratamento. Nunca é demais lembrar que, ao mesmo tempo em que toca, o terapeuta é tocado também, mesmo de modo aparentemente passivo. As suas reações podem ser, ao menos potencialmente, análogas às do paciente. Em parte isto se deve à qualidade da estimulação tátil que, sendo próxima e imediata, coloca as duas pessoas envolvidas como sujeitas a processos semelhantes de identificação e de projeção.

OS TOQUES DE REAJUSTAMENTO NOS PONTOS DE APOIO

Os Toques de Reajustamento nos Pontos de Apoio da postura são realizados, de modo muito suave, preferencialmente sobre as articulações do corpo, durante aproximadamente três minutos.

De acordo com a articulação escolhida, o contato é feito com um ou mais dedos, de ambas as mãos, tocando-se, simultaneamente, áreas paralelas do corpo do paciente. Assim, por exemplo, o toque nos joelhos é realizado colocando-se as pontas dos dedos de cada mão em volta da patela. O paciente está sentado, com as pernas estendidas e o terapeuta, sentado à sua frente, realiza o contato suavemente, observando as reações do sujeito.

O efeito mais evidente desse tipo de contato é soltar as articulações móveis (anfiartroses e diartroses), ocasionando um afrouxamento gradativo dos pontos de apoio posturais. Pela diminuição dos níveis de tensão na articulação estimulada, far-se-á sentir o predomínio da força da gravidade, conduzindo o corpo para uma soltura maior. Por isso temos sempre ao lado do sujeito um divã, ou mesmo boas almofadas, para que, eventualmente, ele possa deixar-se descontrair despreocupadamente.

É o estado de tensão anterior do paciente que vai determinar o reajustamento postural necessário. No entanto, sempre se pode observar uma resposta respiratória reflexa após o toque, acompanhada de descontrações em feixes de fibras, ou até mesmo em grupos musculares inteiros. Estas reações levam a uma soltura parcial do corpo no espaço, partes simétricas se reequilibram e movem-se, alinhando-se de modo mais harmonioso. Em outras ocasiões, quando o reajustamento atinge zonas musculares mais extensas, observamos um verdadeiro “derretimento” da postura, todo o corpo se solta e o paciente entra em profunda relaxação.

Nesses momentos, é comum que haja certa percepção do processo de reajustamento que teve lugar, o qual se propõe à mente do paciente através de imagens diversas, às vezes em tonalidades de luz e sombra nas áreas corporais envolvidas.

A APLICAÇÃO DO MÉTODO EM PSICOTERAPIA

Dentro de uma sessão, costuma-se, primeiramente, ouvir o paciente, receber os seus conteúdos e observações e depois realizar a calatonia ou uma das outras técnicas. Este procedimento conduz a uma peculiar aproximação dos mesmos conteúdos relatados verbalmente. Durante a relaxação a pessoa tem a oportunidade de observar-se a partir de outro ponto de vista e captar aquilo que o seu inconsciente está querendo dizer sobre o material verbalizado. Esta visão interior geralmente contribui com lembranças e com imagens sensoriais atuais, experiências do corpo vividas intensamente no passado e ligadas ao momento presente.

Muito freqüentemente, os toques nos pés estimulam o aparecimento de imagens de movimento ou alterações do equilíbrio, fazendo com que a pessoa se perceba em posições diferentes daquela em que realmente está. Aparecem, ainda, lembranças relativas aos primeiros passos e a quedas, a correr, dançar, momentos já vividos que se propõem ao sujeito, não apenas como reminiscências, mas acompanhados dos conteúdos afetivos correspondentes.

A PELE

Do ponto de vista subjetivo, a relação que constituímos com a pele a coloca como porção limítrofe do Eu: ela está na fronteira entre o mundo interno e externo, fronteira sensível, dinâmica e mutável, que se expande e se contrai de acordo com os estados psicofisiológicos. A pele nos isola, nos protege e também nos contém.

A pele é considerada, segundo os especialistas, como um órgão dos sentidos, ocupando entre estes, uma posição singular. A sua origem embrionária é a mesma do sistema nervoso 2 . Estas características a capacitam para exercer as funções de recepção e de emissão que lhe são peculiares. A pele parece emitir sinais em um grau não encontrado nos outros órgãos dos sentidos, embora alguns destes sinais somente sejam perceptíveis quando há um contato proximal entre emissor e receptor. À medida que o meio interno apresenta certas modificações, estas são conduzidas à periferia do corpo e traduzidas em alterações vasomotoras de ereção capilar e de sudorese, de mudança da condutibilidade elétrica e outras, que se constituem em autênticos sinais de comunicação. O método calatônico procura produzir estímulos predominantemente ectodermais, mas também as camadas de origem mesodérmicas são ativadas nos toques com pressão leve.

2. O sistema nervoso central e a camada superficial da pele desenvolvem-se do ectoderma, enquanto a camada interna (derme) e o sistema nervoso vegetativo têm origem no mesoderma.

No método calatônico o silêncio e a ausência de controle visual contribuem para enfatizar a pele como meio e mensagem da relação que se constitui. As mãos do terapeuta podem, então, representar um ponto de contato com o mundo exterior que permite à pessoa realizar a transição entre o estado de alerta e o relaxamento. Nesse sentido, as mãos desempenhariam um papel análogo ao dos “objetos transicionais” mencionados por Winicott (10), facilitando o mergulho introspectivo e assegurando o retomo construtivo da libido. Os objetos transicionais trazem proteção e impedem que a ansiedade, naturalmente elevada pelos conteúdos da entrada no inconsciente, desorganize a identidade egóica. As mãos do terapeuta podem ser percebidas como um objeto a meio caminho entre o objetivo e o subjetivo, sendo, então, parcialmente incorporadas durante a experiência de descontração. Com a continuidade do desenvolvimento do indivíduo, ele poderá criar relações objetais propriamente ditas, valendo-se destas vivências de soltura psicológica e física que correspondem ao estado de relaxação.

Nas ocasiões em que as reações neurovegetativas são também mobilizadas, pode-se ter choro ou uma gostosa vontade de rir, além de outras expressões fisiológicas com significados afetivos, como de alegria ou de tristeza. A “volta à terra” que este derretimento promove, aproxima o paciente de zonas inconscientes muitas vezes intocadas, produzindo experiências “arquetípicas”, onde o somático e o psicológico não estão ainda dicotomizados, nem diferenciados. A energia libidinal pode então ser conscientemente percebida, fluindo no próprio corpo, sem controle voluntário, gerando eventualmente medo e angústia, tanto quanto prazer e alegria.

A FORÇA DE GRAVIDADE

A participação da energia gravitacional nos três procedimentos mencionados é central. Quando estimulamos os pés aproveitamos terapeuticamente os muitos recursos sensoriais e motores desenvolvidos pela espécie para captar e responder à “mãe-terra”, no curso da adaptação do ser humano ao planeta. O principal estímulo recebido da terra, sempre presente desde o início da vida, é a sua força magnética, segurando o homem à sua superfície. O esqueleto, os músculos e os órgãos desenvolveram-se estrutural e funcionalmente para adaptar-se ao tipo de ambiente terrestre. Logo, o equilíbrio e a harmonia da postura estão correlacionados com a adaptação funcional ao ambiente. Neste sentido, quando a relaxação desmancha os núcleos de tensão muscular, a força de gravidade atua e atrai para baixo. Após essa “queda” planejada, será mais fácil a pessoa perceber como está organizando a sua posição no mundo e se por de pé de modo mais harmonioso.

Na Descompressão Fracionada toca-se o corpo de um modo que dificilmente ele é tocado nas relações sociais comuns. Além disto, a compressão é parte do estímulo constantemente recebido pela massa corpórea que, ao se movimentar, muda as relações de peso e altera a pressão que está sendo constantemente exercida pela gravidade terrestre sobre as diferentes áreas do corpo.

Nos toques de Reajustamento o paciente está de pé ou sentado e, o efeito da força gravitacional é ainda mais evidente. Realiza-se neste como nos outros toques, o sentido procurado pelo seu Autor quando escolheu o termo grego khalaó, para denominar o método. Este verbo, que significa literalmente “relaxação”, possui, ainda, outros sentidos, tais como: “deixar ir”, “afastar-se do estado de ira ou de violência”, “abrir uma porta”, “rasgar os véus”, “desatar as amarras de um odre”, “retirar o véu dos olhos”, “alimentar-se”, e também, “perdoar os pais”.

Sabemos que as defesas são erigidas para resistir à força natural, que tanto está fora do corpo como dentro dele. A neurose se estrutura nos músculos, especialmente nos posteriores, através dos quais se expressa simbolicamente em uma postura orgulhosa, dura; por outro lado, denuncia a enorme dificuldade em relaxar, em deixar-se ir, seguindo o fluxo da própria energia. Saber ser ativo e passivo, conforme as circunstâncias, é um estilo de vida, não somente uma questão de fisiologia ou de psicologia do movimento. Reconhecendo a importância desses aspectos, o trabalho psicoterapêutico que utiliza os toques suaves em associação com a análise do inconsciente procura integrar os níveis físico, afetivo e cognitivo da experiência humana.

Em todos os casos nos quais a reorganização seja visada, o método calatônico pode ser utilizado.

Segundo Sándor (8), desaconselha-se o seu emprego em casos de psicoses agudas, quando este método não poderia ser realizado de maneira suave, como foi planejado. Por outro lado, em afecções somáticas graves, nas síndromes psicossomáticas e em estados confusionais, aconselha-se que o terapeuta trabalhe com supervisão, além de que mantenha contatos com o médico responsável, para o eventual tratamento medicamentoso do paciente.

Durante certos tratamentos com fármacos que alteram o estado de consciência, e também com corticoesteróides, entre outros, o emprego do método precisa de especial atenção.

Em síntese, os critérios éticos e as indicações só podem ser adequadamente pensados e pesados quando o terapeuta tenha sido submetido antecipadamente, ele próprio, às intervenções que pretende realizar.

REFERÊNCIAS

(1) De Santis, M.I. 1969. A integração do animus na metanóia e no relaxamento. Bol. Psicol, São Paulo, 21: 57 e 58:

(2) De Santis, M.I. 1976. O discurso não verbal do corpo no contexto psicoterápico. Dissert Dep. Psicol. PUC, mimeog., Rio de Janeiro.

(3) Mauro, B. 1969. Anima e inconsciente racial no relaxamento e nos sonhos. Bol. Psicol, São Paulo, 21: 57 e 58.

(4) Penna, L 1976. Observações sobre um caso de psicoterapia infantil com relaxamento. Anais do II Congresso Interamericano de Psicologia. Clínica, São Paulo.

(5) Penna, L. 1979. Calatonia: a sensibilidade, os pés a imagem do próprio corpo em psicoterapia Dissert. IP-USP , mimeog., São Paulo.

(6) Penna, L. 1983. Os pés em relação com a terra. Cadernos da PUC, São Paulo, n 15.

(7) Sándor, P. 1969. Calatonia. Bol. Psicol., São Paulo, 21:57 e 58.

(8) Sándor, P. 1974. Técnicas de relaxamento, São Paulo, Vetor.

(9) Schilder, P. 1950. The image and appearance of the human body. Nova York, John Wiley & Sons.

(10) Winicott, D.W. 1958. Transitional objects and transitional phenomena Collected Papers: Through Pediatrics to Psyco-Analylisi. Londres, Tavistock Publ.

“Imagens Calatônicas” – Paulo Machado

 

Uma importante e comum observação que decorre da vivência da Calatonia corresponde às imagens, que surgem espontaneamente durante o processo.

Estas imagens, que também podem emergir em outros exercícios, num estágio intermediário entre a vigília e o sono, e que na Calatonia se acrescenta, conforme a referência de PETHÖ (1974), na “mobilização de componentes epicríticos e protopáticos” através da sucessão “sutil e monótona” de estímulos nas extremidades inferiores ou superiores, correspondem a condensações projetivas, inclusive aquelas cujos conteúdos ainda não podem ser descritos ou que não atingiram a amplitude para uma descrição simples através de palavras e que, na medida em que não forem intencionalmente provocadas, direcionadas ou reduzidas a procedimentos interpretativos, possuem o mesmo valor simbólico que as imagens oníricas.

Tais imagens, embora referindo-se a uma expressão subjetiva que emerge durante o processo de relaxação, correspondem, conforme a observação de PETHÖ, a uma realidade psíquica, e assim constituem-se de imenso valor e ajuda para a compreensão do inconsciente e no desenvolvimento da psicoterapia.

PETHÖ chama a atenção, ainda, para o dinamismo integrador das imagens calatônicas e refere-se à “finalidade inerente” das mesmas, ou seja, à extraordinária correspondência de tais imagens com a necessidade momentânea do paciente.

A observação sistemática das referidas imagens pelo psicoterapeuta, acrescentadas ao processo da análise juntamente com as correspondências corporais (recondicionamento psicofísico) que se verificam, constituem-se numa composição integrativa que, apoiados na base da Psicologia Junguiana, delimitam um novo método terapêutico e certamente constituindo-se, o referido conjunto, numa importante contribuição para o próprio desenvolvimento da psicologia profunda. 


Referências Bibliograficas:

PETHÖ SÁNDOR, Técnicas de Relaxamento. São Paulo, Vetor, 1974.