Qualificação do Profissional

Os critérios para proposição de um curso de formação em Calatonia, conforme as normas vigentes e preconizadas pela Comissão de Ensino do CID (Centro de Integração e Desenvolvimento), correspondem às seguintes exigências, relativas à formação do docente: amplo conhecimento conceitual, por meio de participação em grupos de estudo, cursos livres ou regulares e outras modalidades pedagógicas e de experiência vivencial e clínica da utilização da Calatonia, em atendimentos psicoterápicos e outros, por, no mínimo dois anos, seja com o próprio Sándor, ou com seus ex-alunos e seguidores.

A Calatonia, na prática psicoterápica, integra-se como um recurso mobilizador do processo terapêutico, requisitando uma formação bastante específica do profissional que a utilize. Esta formação envolve não somente a habilitação prática pelo aprendizado das técnicas, mas também a aquisição de um sólido embasamento teórico, fundamentado na Psicologia Analítica (Jung).

Além destes requisitos, é essencial que o terapeuta que pretenda utilizar esta metodologia de intervenção submeta-se à vivência pessoal neste enfoque terapêutico, e realize, a princípio, um trabalho supervisionado.

Como no método da Calatonia não há toques “específicos para queixas específicas”, é importante que o profissional domine o conhecimento teórico e não apenas técnico ao aplicar os toques sutis, pois ele deverá escolher qual o toque mais apropriado para o momento do processo terapêutico do paciente.

Os cursos ministrados por Pethö Sándor tiveram sempre como pré-requisito que o profissional em formação contasse com uma formação acadêmica mínima de Bacharelado em Psicologia ou nas áreas pedagógica ou biomédica, como fisioterapia, terapia ocupacional, fonoaudiologia, pedagogia e outras.

Os profissionais relacionados no link Listas de Profissionais têm, no mínimo, a formação acadêmica de bacharelado.

Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •